quinta-feira, 22 de abril de 2010


a minha taça está vazia

(do cristo mecânico, pseud. - 12º m)

a minha taça está vazia

os rostos vulgares do passado não são do passado não existe passado pois não estava lá ninguém para o passar então não existe passado pois se não há ninguém para o passar ele não pode ser chamado de passado e teria que ser chamado de suposição de acontecimentos uma vez que como já foi referido não estava lá ninguém para presenciar o passado a própria palavra presenciar remete para o presente logo é apenas um conceito existente apenas no universo do pensamento porque se não há um presente a palavra presenciar não está adequada a nada há apenas um rosto que não é o do passado nem do presente nem do futuro porque esses ele diz que não existem e eu como sou bonzinho acredito na sua lógica porque se não acreditar eu sou escarrado e abortado e deixo de ter existência em qualquer dos doze universos porque ninguém se vai lembrar de mim pois não tenho ninguém senão ele e ele pode apagar-me e apagar tudo de forma a que eu não exista nem para ele o que irá original a perda de um planeta mas não há problema porque esses são desprezados e são submetidos a descidas de escalão a toda a hora já quase ninguém se lembra de como começou e digo quase porque ele se lembra ele lembra-se de tudo porque foi ele que começou tudo ele quis iniciar o branco e iniciou o branco e a partir daí criou tudo o resto eu tenho um desenho que fui eu a fazer acerca de um menino que era mudo mas podia falar com os cães e a mãe dele era uma pega bêbeda e o pai era um coitado que fazia armadilhas para morrer mas como ele sabia onde ele próprio as tinha plantado não conseguia cair nelas então eu usei esse menino para ilustrar uma história e levei-a a ele e ele não me disse porque ele não diz ninguém diz falar é um conceito e não existe sem ser no universo dos conceitos e nós não estamos lá agora não podemos dizer nem falar nem berrar nem abrir a boca nem fazer ruído porque nós não temos cordas vocais nem temos boca isso é só no universo dos conceitos e nós não estamos lá adiante ele viu o desenho porque ele é o único que pode ver eu chamo-o de visionário mas tenho que ter cuidado porque isso aqui não é um conceito é um adjectivo e nós não estamos no universo dos adjectivos então ele apagou o desenho pois o menino era um conceito tirado de um universo que estou proibido de saber que existe que é o universo do perfeito e perfeito é um conceito mas neste caso também é um universo pois o conceito fugiu do universo dos conceitos e criou o seu próprio universo do perfeito e tudo é perfeito lá o menino o pai do menino e a mãe do menino e ele sabe agora que eu admiti a minha sabedoria em relação a esse universo portanto eu temo agora que ele me apague pois eu desobedeci e ele deixou as regras bem claras eu tenho as regras da existência no meu universo tal como elas estão nos outros universos também e ele não comanda tudo mas tudo segue a vontade dele eu agora não posso tremer de medo pois não tenho corpo mas eu queria por isso é que desenhei o que desenhei e acho que ele vai mesmo apagar-me mas parece que não pois eu não tenho qualidade para ser apagado eu serei distribuído pelas galáxias e as pessoas dos outros universos vão ter que se queixar a mim e o meu castigo é saber que todos eles sentem ódio de mim porque eles vão passar a chamar-me deus e deus é uma palavra má deus é um conceito que foi apagado do universo dos conceitos porque ele é nada então não pode existir um conceito que o leve a desconfiar de hipocrisia e como ele é o nada ele pode fazer tudo e foi assim que o passado deixou de existir pois as pessoas que existiam no passado deixaram de existir

Sem comentários: