quarta-feira, 18 de novembro de 2009


Anna Akhmátova - 1889-1967






Anna Akhmátova, 1922 (Kuzma Petrov-Vodkin)




Como Pedra Branca

Como pedra branca no fundo do poço

dentro de mim está uma memória.

Nem quero afastá-la, nem posso:

é sofrimento e é prazer e glória.


Julgo que quem olhar-me bem de perto

dentro em meus olhos logo pode vê-la.

E ficará mais triste e pensativo

que alguém que escute uma anedota obscena.


Eu sei que os deuses metamorfoseavam

os homens em coisas sem tirar-lhes alma.

Para que o espante da tristeza dure sempre,

em coisa da memória te mudei.

2.
Pseudónimo de Anna Andreievna Gorenko, fundadora e representante do movimento acmeista, que reclamava o regresso à expressão directa da emoção poética, à concisão e ao rigor das imagens. Entre 1918 e 1958 viu-se condenada a um quase silêncio: suspeita ao regime russo, pelo tom aristocratizante da sua poesia, entre 1923-1940, violentamente atacada por Andrei Zhadanov, ministro da cultura de Estaline, em 1946, que a acusa de escrever poesia intimista de carácter burguês, e a classifica como um misto de “freira prostituta”. Só após a morte de Estaline pode voltar a publicar e experimentar o reconhecimento público nacional, que já existia clandestino, e ser reconhecida como um dos maiores poetas russos do século XX.


Fonte: blogue Quási de Nada.

Sem comentários: