sábado, 9 de junho de 2018


Conversa com João Pinto Coelho




O escritor João Pinto Coelho veio à nossa Escola para uma sessão sobre livros e leitura com alunos das turmas B, D e J ,do 10.º ano, no dia 4 de junho, pelas 8:30 h.

A conversa centrou-se em vários temas, tendo como referência os dois romances do escritor, Perguntem a Sarah Gross Os Loucos da Rua Mazur (prémio Leya 2017). Os tempos do Holocausto estiveram em foco, havendo espaço para perguntas e respostas e diálogo entre todos os participantes.O encontro teve lugar na sala 301, e contou com a colaboração de professores dos departamento de Ciências Sociais e Humanas e de Línguas e Literaturas.

via página da Escola António Arroio

terça-feira, 5 de junho de 2018


Primeiras Impressões



A Sociedade Nacional de Belas Artes e a Escola Artística António Arroio, têm o gosto de o(a) convidar para a inauguração da exposição “Primeiras Impressões” dos alunos finalistas do Curso de Produção Artística – especialização em Serigrafia e Gravura da Escola Artística António Arroio, que terá lugar no dia 1 de Junho, pelas 18h30, na Galeria de Arte Moderna (1º piso).
A exposição estará patente até dia 30 de Junho de 2018, todos os dias úteis das 12h00 às 19h00 e aos sábados das 14h00 às 20h00.
Os alunos apresentam alguns dos trabalhos desenvolvidos ao longo do ano letivo 2017/18, no âmbito de um projeto interdisciplinar que envolve as disciplinas de Gestão das Artes e Projeto e Tecnologias. Possibilitado por uma parceria com a Sociedade Nacional de Belas Artes e com o apoio da Fundação PLMJ, os alunos pretendem partilhar os seus projetos artísticos e estimular o público a um interesse pelas técnicas e processos intemporais da Gravura e da Serigrafia.
Sociedade Nacional de Belas Artes
Rua Barata Salgueiro, 36
1250-044 Lisboa
E-mail: geral@snba.pt
Web: http://www.snba.pt
cartaz e texto via página da escola AA


Ocorrências




A Escola Artística António Arroio e a Maria Pia Galeria, têm o prazer de vos convidar para a exposição “Ocorrências” a inaugurar no dia 7 de Junho, pelas 17:00 h e que estará patente até ao dia 29 de Junho, de segunda a sexta-feira das 14:00 às 18:00 h (exceto feriados).
“Ocorrências” é uma exposição do Curso de Produção Artística – Cerâmica, com trabalhos do 10º, 11º e 12º anos. Os trabalhos expostos incidem sobre os projetos temáticos realizados nos últimos anos, mostrando a diversidade dos temas abordados e das parcerias realizadas.

Maria Pia Galeria
CED Maria Pia
Casa Pia de Lisboa
Rua Madre de Deus, s/n (junto ao Museu do Azulejo)

Será um gosto contar com a vossa presença!

Cartaz e texto via Página da escola AA

terça-feira, 29 de maio de 2018


Construções e (sub)Versões


O Museu Nacional de Arte Antiga e a Escola Artística António Arroio, têm o prazer de convidar para o evento “Construções e (sub)versões” que terá lugar no dia 3 de Junho,  das 11:00 h às 16:00 h.
Mostra de trabalhos, apresentação e performance dos alunos das turmas 11º D e E do Curso de Produção Artística – especialização em cerâmica,
Animações interactivas das turmas de 12º ano do Curso de Comunicação Audiovisual.
Programa:
11h00 – Apresentação dos projectos
11h50 – Percurso pelas salas de exposição cruzando Obras de Arte e Animações Interativas
12h30 e 16h00 – Os alunos apresentam as suas Obras Cerâmicas
Até às 16h30, no Átrio principal – Em diálogo com os alunos: apresentação da Mostra de Obras Cerâmicas e das Animações Interativas (inclui Figurinos usados nas Animações).



segunda-feira, 21 de maio de 2018


Escrever Com Arte - Resultados do Concurso




Consulte aqui a lista de alunos premiados na 6ª edição do concurso Escrever Com Arte.
A escola agradece a participação de todos os alunos que concorreram, e dá os parabéns aos alunos selecionados.

Informamos que a entrega de prémios se realiza no dia 6 de junho, cerca das 14:15, na sala 301. 
Estão naturalmente convidados os familiares, amigos e colegas dos alunos premiados.

quarta-feira, 16 de maio de 2018


Procura-se Noiva | Cabeçudos Com Twist


Abertura do FIMFA *

Foi no âmbito da Formação em Contexto de Trabalho que se estabeleceu a parceria entre a Escola Artística António Arroio e A Tarumba, e que as que as ideias dos alunos do 12º F (Produção Artística | Realização Plástica do Espetáculo) começaram a tomar forma. Emergindo do enlace entre o tema do casamento e os loucos anos 20, os desígnios atravessaram várias etapas de um metódico processo criativo, desde a interpretação de cada aluno, até ao projeto desenvolvido de forma colaborativa, segundo as diferentes áreas de realização (cenografia/figurinos). Cada dupla de trabalho (cabeça/traje de cena) evoluiu de maneira própria, num compromisso entre as duas realidades - a do indivíduo e a do coletivo.


Em oficina na António Arroio

Apresentadas, discutidas e aprovadas as ideias dos alunos deram origem a desenhos e intenções; na vertente tecnológica da disciplina, deu-se corpo, forma e expressão às ideias, concretizando-se os projetos; da partilha nasceu a essência e a aparência deste desafio - promover e divulgar o universo das formas animadas através de uma singular família de cabeçudos, num ambiente de festa.



Construção do traje de cena


Modelação de volumes









Por fim, em pleno Chiado, a noiva era...um noivo!



* Festival Internacional de Marionetas e Formas Animadas

Projeto Escola
CABEÇUDOS COM TWIST (Portugal)
Parceria FIMFA / A Tarumba e Escola Artística António Arroio


Equipa pedagógica da disciplina de Projeto e Tecnologias (12º F): Carla Rosa, Isabel Moniz, João Rapaz Alunos: Catarina Martins, Cecília Jones, Gonçalo Lazana, Helena Soares, Inês Guedes, Inês Duarte, Maria Pato, Maria Pereira, Mariana Charuto, Pedro Macedo, Raquel Paixão, Rita Silva, Xavier Salvador Fotografias: Estelle Valente / São Luiz Teatro Municipal


Fotografias: Alípio Padilha, Estelle Valente e João Rapaz.

segunda-feira, 14 de maio de 2018


Faites Des Bijoux , Pas La Guerre



EXPOSIÇÃO ITINERANTE DE JOIAS
Escola Artística António Arroio | 15 maio > 6 junho 2018



A Escola Artística António Arroio e os alunos e professores do Curso de Produção Artística, especialização em Ourivesaria, convidam a comunidade escolar para a inauguração da exposição no próximo dia 15 de maio, a partir das 18 horas.
A exposição apresenta a primeira coleção de joias realizadas por alunos de quatro escolas parceiras que desenvolveram o projeto de intercâmbio europeu no âmbito do programa Erasmus+ 2017-2020.
As joias Memento apresentam-se unidas numa tipologia variada, numa amálgama de conceitos, formas, volumes, materiais, cores, texturas, escalas, pesos, levezas e diferentes preciosidades. Têm como referência a figura histórica do cônsul Aristides de Sousa Mendes no contexto da 2ª Guerra Mundial e a repercussão da sua ação sobre a humanidade. Evocam memórias de um tempo passado em interconexão com os valores de União, Património e Cidadania, revelando no presente os diferenciados
olhares e culturas para salvaguardar os desejos e os compromissos da vida no futuro.


A exposição encontra-se em itinerância transnacional de janeiro a junho de 2018 num percurso inaugurado em França – Saint-Amand Montrond, Bélgica – Namur, Itália – Valenza e que terminará em Portugal – Lisboa.



After the Gold Master Pieces


Tecnologia de Fotografia  - Curso de Design de Comunicação – 11ºK 2017 e 11ºM 2018

De 14 de Maio a 15 de Junho

No início do séc. XIX, quando a fotografia dava os seus primeiros passos, as máquinas 
fotográficas eram grandes e pesadas caixas de madeira polida com aplicações de metal. 
Representando a essência da técnica fotográfica, possuíam uma abertura com uma lente 
que dirigia a luz para o fundo da câmara escura  onde se encontrava uma chapa de vidro 
com a emulsão.

As primeiras emulsões fotossensíveis dos – daguerreótipos, calótipos ou colódios húmidos – 
eram ainda pouco sensíveis e obrigavam o fotografado a longos tempos de exposição. Somente 
no início da década de setenta começaram a aparecer as primeiras chapas utilizando gelatina, 
aumentando a sensibilidade das emulsões e, consequentemente, a sua rapidez.

Aqui apresentamos fotografias que realizámos com papel fotográfico colocado no lugar da 
chapa ou vidro, com o tempo de exposição de dez segundos. A inspiração formal teve como
base o trabalho do fotógrafo holandês Hendrik Kerstens, e a pintura referente ao Século de Ouro
dos Países Baixos como são exemplos maiores: Rembrandt Harmenszoon van Rijn e Johannes Vermeer.


Fonte: Escola Artística António Arroio


Master Class BoCA | Biennal of Contemporary Arts






A BoCA de MUSA PARADISIACA
15 maio | 16h10 – 17h45 | sala 301
A Musa paradisíaca é um projeto artístico de Eduardo Guerra (Lisboa, 1986) e Miguel Ferrão (Lisboa, 1986), centrado no diálogo. Assente em parcerias temporárias com entidades de variada competência, Musa paradisíaca assume diferentes formas, mantendo um carácter discursivo e participativo. Daí deriva a proposta para a criação de uma família pensante que, a várias vozes, se afirma. Em 2017, no contexto da BoCA, conceberam a sua primeira instalação para o espaço público, “Casaanimal”, um lugar que partilha qualidades de abrigo, capela e estábulo. Ao albergar um conjunto de eventos propostos através de uma Open Call, a “Casa-animal” é constantemente redefinida pelos seus ocupantes.
Focada na condição transitória ou nómada de um lugar definido por relações, acontecimentos e necessidades particulares, esta é uma escultura-monumento-palco construída para o encontro temporário e não-mediado entre Amadores.
Sob o pretexto de uma parceria desenhada entre a BoCA e a Escola Artística António Arroio, inicia-se o ciclo de encontros “A BoCA de” que convida artistas a partilharem a sua experiência no contexto da BoCA. A 15 de maio (16h10-17h45), a Musa paradisíaca desloca-se à António Arroio para falar do seu trabalho e dialogar com a comunidade escolar.

Org: Gestão das Artes
http://www.bocabienal.org/
facebook.com/boca.bienal
https://gestaodasartes.wordpress.com/


fonte  Escola Artística António Arroio





domingo, 6 de maio de 2018


Amo 1 Obra Prima : Ser criador - Criar beleza


O mais importante na vida
É ser-se criador – criar beleza.

Para isso,
É necessário pressenti-la
Aonde os nossos olhos não a virem.

António Botto, Curiosidades Estéticas, 1924

    Entre os dias 13 e 20 de Abril esteve patente na Biblioteca Escolar da EA António Arroio (e no corredor adjacente) a exposição «Amo 1 Obra Prima | Renascimento» que englobou trabalhos de remake de obras de arte do Renascimento escolhidas pelos alunos das turmas D, G, H, I e Q do 11º ano e no âmbito da disciplina de História da Cultura e das Artes.

    
   A exposição foi visitada formal ou informalmente por alunos, funcionários e encarregados de educação que, oralmente ou por inscrição ,no livro de visitas, testemunharam a experiência e o agrado pelos trabalhos expostos, muito graças à capacidade criativa dos alunos e à assinalável diversidade de suportes, técnicas e soluções estéticas.

  Um dos professores que inscreveu o seu testemunho afirmou:
«Criar, é isto! É preciso dar-lhes ideias...»

   Outra professora defendeu que «revisitar obras de arte e artistas é um privilégio. Uma exposição muito muito feliz.»




     Uma das funcionárias afirmou: «Estes trabalhos estão o máximo com letra bem grande. Adorei!»

       Um dos encarregados de educação proferiu um desejo: «Parabéns pelas belas obras. Sejam felizes».

     Outra constante durante o período de exposição dos remakes foi o registo fotográfico efetuado pelos visitantes.





  
Foi igualmente produzido um filme de apresentação, em divulgação pública na semana da exposição.

 

     «Amo 1 Obra Prima» foi uma proposta, uma estratégia pedagógica que ultrapassou em muito as fronteiras físicas da sala de aula e pôde constituir uma hipótese de projeto futuro que promova o trabalho interdisciplinar e a formação humanística | artística dos alunos da Escola Artística António Arroio.

    O catálogo e o vídeo que seguidamente se apresentam, são apenas um testemunho incompleto da dinâmica de trabalho estabelecida nesta primeira experiência…


CATÁLOGO [2ª EDIÇÃO ]
consultar, clicando AQUI

«AMO 1 OBRA PRIMA | RENASCIMENTO» | 2018
EA ANTÓNIO ARROIO | BIBLIOTECA
PRODUÇÃO | JOSÉ FERNANDO VASCO





Texto: José Fernando Vasco